Em qual momento devo começar a estruturar um empreendimento de base imobiliária?

Fim de ano chegando, divulgação de expectativas positivas para o segmento imobiliário, especialistas sinalizando uma possível retomada e a pergunta que mais escuto de alunos, parceiros e clientes é: – Cristiano, devo desengavetar todos os meus projetos agora?
Para começar, relembro a minha clássica frase “Começa a ficar ruim, quando começa a ficar bom”! Pois, geralmente, um misto de euforia e ansiedade toma conta do segmento quando um processo de expansão se inicia no mercado e os empreendedores acreditam que em um passe de mágica a geração de riqueza em seus negócios irá acontecer novamente.
O mercado imobiliário é marcado por ciclos nos quais frequentemente consigo identificar quatro etapas específicas que se observadas e trabalhadas com cuidado, podem gerar bons retornos, minimizando, inclusive, possíveis perdas.
A seguir classifico os melhores e piores momentos para a estruturação de um negócio dentro do mercado de base imobiliária:

► 1º Etapa: Caracterizado pelo processo de Retração.

Nesta situação as empresas começar a se preparar para uma possível recessão. Assim, freiam alguns projetos que já possuem, desistem de avaliar a possibilidade de investir em novas situações, e ainda, abandonam tudo o que possa vir a gerar custo a curto e médio prazos. O importante é sobreviver sem perder muito.

É justamente no processo de transição da retração para a recessão que estamos no melhor momento para iniciar as prospecções, boas oportunidades surgem, nas quais se consegue barganhar mais devido ao pânico inevitavelmente instalado motivado principalmente pela baixa velocidade das vendas de projetos já lançados.

► 2º Etapa: Caracterizado pelo processo de Recessão.

Sei bem que parece contraditório dizer que o melhor momento é quando o mercado está na recessão. Mas pensemos friamente: todo mundo está no modo economia de energia, dificilmente novos empreendimentos serão lançados tanto pelos reflexos financeiros gerados pelo momento de retração quanto pela insegurança em se perder mais dinheiro. A demanda potencial não será suprida, pois poucos ou nenhum empreendedor lançará novas unidades.

E se você iniciou o processo de prospecção na retração ou se tem projetos com potencial de vendas, é na recessão que você deve realizar toda a estruturação: conhecer o mercado, investir em pesquisas, conhecer o que a concorrência oferece, entender o que as pessoas ainda querem para poder formatar um produto ajustado com as necessidades da região prospectada.

► 3º Etapa: Caracterizado pelo processo de Recuperação.

A fase de transição entre a recuperação e a expansão é o melhor momento para se lançar novas unidades no mercado, mas se e somente se:
1. O trabalho de casa tiver sido feito corretamente no período mais crítico e sem perspectivas;
2. O empreendedor conseguir formatar o melhor produto considerando a dinâmica econômica da região, a demanda potencial e ofertas existentes.

Quando o mercado começa a emitir sinais de recuperação é quando todo mundo retoma o ânimo para investir e o risco vai aumentando paulatinamente.

► 4º Etapa: Caracterizado pelo processo de Expansão.

A fase de expansão, é, por incrível que pareça a mais perigosa, pois como o consumo está fluindo, todo mundo se acomoda e volta a fazer mais do mesmo, na perspectiva de aumentar seus ganhos. E a depender do tipo de aquisição que a demanda deseje fazer, nessa fase o principal diferencial passa a ser preço e há uma dificuldade maior para fidelização.

Como o efeito manada é implacável a história se repete de novo, de novo e de novo!

Apesar de colocações óbvias até aqui e sem muita novidade para alguns de vocês, volto a dizer que óbvio sempre é dito, mas dificilmente posto em prática!

E para 2020?

Desejo muito sucesso e cautela! Que esta pequena reflexão possa lhe auxiliar e que você empreenda com sucesso aproveitando o melhor de cada etapa do ciclo!

Forte Abraço.