Meu loteamento é viável?

Muitos empreendedores se perguntam como garantir a viabilidade do seu loteamento. Apesar da tarefa ser árdua, a conceituação é muito simples, pois envolve três pilares básicos (viabilidade técnica, mercadológica e financeira) subdivididos em três etapas: identificação do ambiente, identificação do ativo e identificação dos investidores.

Na identificação do ambiente, a tarefa de casa consiste em entender de forma concomitante, se há viabilidade técnica e mercadológica para o negócio.

Inicialmente são realizados os estudos referentes à legislação de parcelamento do solo de modo a garantir que as configurações do loteamento obedeçam aos aspectos legais que regem o município; seguidos das reflexões necessárias para a ratificação da viabilidade mercadológica, contemplando a verificação da dinâmica e aquecimento da economia local, definição da capacidade de endividamento da demanda, tempo de aquisição e real interesse de compra, bem como quais são as formas de comercialização praticadas pela concorrência. Assim respondemos a algumas perguntas nesta etapa, como: Qual o tamanho e perfil do meu mercado? O que pode ser feito pelo viés legal? Qual a relação ideal de metragem x preço do lote?

O resultado conjunto de todas as análises supracitadas, além de possibilitar a melhor configuração do empreendimento pela ótica técnica e mercadológica, norteará os cenários financeiros que englobam tanto a identificação do ativo quanto a identificação dos investidores. Muitos projetos ficam nesta fase, sendo inviável ou pelo viés legal e técnico, ou pelo mercado ou por ambos aspectos.

A viabilidade financeira do loteamento será refletida pela identificação do ativo que consiste basicamente na estruturação da análise do empreendimento na linha do tempo por meio da construção do fluxo de caixa. Nele, será inserido todos os custos inerentes à operação, o que permite definir dentre outras coisas, a real necessidade de capital de giro, taxa interna de retorno e geração de riqueza no curto, médio e longo prazo.

Além disso fica mais fácil identificar o papel dos investidores visto que o fluxo de caixa norteia a composição do capital (próprio ou de terceiros) dentro do negócio, demonstrando como os players serão remunerados durante a estruturação e comercialização do empreendimento.

Somente após analisar essas três etapas é possível definir de maneira segura e mais assertiva o “GO No GO” do projeto.

Como você vem estruturando os seus negócios? Já pensou em investir no segmento horizontal com produtos tipo loteamento?

Seguindo essas etapas você certamente está trabalhando para a construção de um loteamento de sucesso! Continue nos acompanhando e receba mais dicas como essa no MID!

 

2018-07-09T12:16:13+00:00